sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

ANO NOVO!

2010 acabou!
Começa um novo ano...novas expectativas, novos sonhos...ano novo!
Talves levaremos para 2011 aqueles sonhos que não foram realizados, promessas que não cumprimos...no ano novo sempre temos a chance de começar tudo denovo.

Há pessoas que realizaram seus sonhos em 2010 e darão continuidade, para que 2011 seja melhor que 2010.
Mas mesmo se você não realizou aquele sonho, não se preocupe...2011 será melhor!
2011 será a oportunidade de fazermos tudo que não foi feito: talves você não tenha estudado como deveria, não se dedicou ao trabalho como deveria, não deu atenção aos seus amigos como deveria, até a familia ficou de lado...2011 será diferente!

Espero que estas palavras aqui escritas não sejam só meras palavras...pois tenho conciência que preciso mudar muita coisa em mim...e eu sei que você também!
Que isso não seja apenas um discurso de fim de ano!

Desejo a todos não só um feliz ano novo, mas desejo que possamos ser melhores que fomos em 2010. Que 2011 seja o ano de nossas vidas...pois será o primeiro ano de uma nova década...o que seremos em 2015 será o resultado do esforço que fizemos em 2011!!!

Happy new year!!!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Chapolin Colorado vai estrear no cinema

Ao longo de 2010 a saúde de Roberto Gómez Bolaños, o Chaves, foi notícia no México. O humorista de 81 anos teria sofrido um AVC em agosto, fato desmentido por sua assessoria, e sua condição atual é incerta. Mas Bolaños não para de produzir.

Em entrevista à Televisa, o roteirista Roberto Gómez Fernández disse que Bolaños atualmente supervisiona um filme do Chapolin Colorado. A ideia é que o roteiro fique pronto no primeiro trimestre de 2011. Um novo ator, obviamente, será escolhido para interpretar o herói com as antenas de vinil.
Paralelamente, a série animada de Chavez deve ganhar uma nova temporada também no ano que vem.

(Omelete)


Boa noticia!!!
Resta esperar e ver o resultado. Torço para que seja um bom filme!
Chapolim é um ícone, uma sátira aos heróis americanos que possuem super poderes mas não possuem o que somente chapolim tem: Carisma, nobreza e um coração puro.
Chapolim é um verdadeiro herói!

A alegoria da caverna



Extraído de "A República" de Platão

SÓCRATES – Figura-te agora o estado da natureza humana, em relação à ciência e à
ignorância, sob a forma alegórica que passo a fazer. Imagina os homens encerrados em
morada subterrânea e cavernosa que dá entrada livre à luz em toda extensão. Aí, desde a
infância, têm os homens o pescoço e as pernas presos de modo que permanecem imóveis e
só vêem os objetos que lhes estão diante. Presos pelas cadeias, não podem voltar o rosto.
Atrás deles, a certa distância e altura, um fogo cuja luz os alumia; entre o fogo e os cativos
imagina um caminho escarpado, ao longo do qual um pequeno muro parecido com os
tabiques que os pelotiqueiros põem entre si e os espectadores para ocultar-lhes as molas dos
bonecos maravilhosos que lhes exibem.

GLAUCO - Imagino tudo isso.

SÓCRATES - Supõe ainda homens que passam ao longo deste muro, com figuras e objetos
que se
elevam acima dele, figuras de homens e animais de toda a espécie, talhados em pedra ou
madeira. Entre os que carregam tais objetos, uns se entretêm em conversa, outros guardam
em silêncio.

GLAUCO - Similar quadro e não menos singulares cativos!

SÓCRATES - Pois são nossa imagem perfeita. Mas, dize-me: assim colocados, poderão ver
de si mesmos e de seus companheiros algo mais que as sombras projetadas, à claridade do
fogo, na parede que lhes fica fronteira?

GLAUCO - Não, uma vez que são forçados a ter imóveis a cabeça durante toda a vida.
SÓCRATES - E dos objetos que lhes ficam por detrás, poderão ver outra coisa que não as
sombras?

GLAUCO - Não.

SÓCRATES - Ora, supondo-se que pudessem conversar, não te parece que, ao falar das
sombras que vêem, lhes dariam os nomes que elas representam?

GLAUCO - Sem dúvida.

SÓRATES - E, se, no fundo da caverna, um eco lhes repetisse as palavras dos que passam,
não julgariam certo que os sons fossem articulados pelas sombras dos objetos?

GLAUCO - Claro que sim.

SÓCRATES - Em suma, não creriam que houvesse nada de real e verdadeiro fora das
figuras que desfilaram.

GLAUCO - Necessariamente.

SÓCRATES - Vejamos agora o que aconteceria, se se livrassem a um tempo das cadeias e
do erro em que laboravam. Imaginemos um destes cativos desatado, obrigado a levantar-se
de repente, a volver a cabeça, a andar, a olhar firmemente para a luz. Não poderia fazer
tudo isso sem grande pena; a luz, sobre ser-lhe dolorosa, o deslumbraria, impedindo-lhe de
discernir os objetos cuja sombra antes via.
Que te parece agora que ele responderia a quem lhe dissesse que até então só havia visto
fantasmas, porém que agora, mais perto da realidade e voltado para objetos mais reais, via
com mais perfeição? Supõe agora que, apontando-lhe alguém as figuras que lhe desfilavam
ante os olhos, o obrigasse a dizer o
que eram. Não te parece que, na sua grande confusão, se persuadiria de que o que antes via
era mais real e verdadeiro que os objetos ora contemplados?
GLAUCO - Sem dúvida nenhuma.

SÓCRATES - Obrigado a fitar o fogo, não desviaria os olhos doloridos para as sombras
que poderia ver sem dor? Não as consideraria realmente mais visíveis que os objetos ora
mostrados?

GLAUCO - Certamente.

SÓCRATES - Se o tirassem depois dali, fazendo-o subir pelo caminho áspero e escarpado,
para só o liberar quando estivesse lá fora, à plena luz do sol, não é de crer que daria gritos
lamentosos e brados de cólera? Chegando à luz do dia, olhos deslumbrados pelo esplendor
ambiente, ser-lhe ia possível discernir os objetos que o comum dos homens tem por serem
reais?

GLAUCO - A princípio nada veria.

SÓCRATES - Precisaria de algum tempo para se afazer à claridade da região superior.
Primeiramente, só discerniria bem as sombras, depois, as imagens dos homens e outros
seres refletidos nas águas; finalmente erguendo os olhos para a lua e as estrelas,
contemplaria mais facilmente os astros da noite que o pleno resplendor do dia.

GLAUCO - Não há dúvida.

SÓCRATES - Mas, ao cabo de tudo, estaria, decerto, em estado de ver o próprio sol,
primeiro refletido na água e nos outros objetos, depois visto em si mesmo e no seu próprio
lugar, tal qual é.

GLAUCO - Fora de dúvida.

SÓCRATES - Refletindo depois sobre a natureza deste astro, compreenderia que é o que
produz as estações e o ano, o que tudo governa no mundo visível e, de certo modo, a causa
de tudo o que ele e seus companheiros viam na caverna.

GLAUCO - É claro que gradualmente chegaria a todas essas conclusões.

SÓCRATES - Recordando-se então de sua primeira morada, de seus companheiros de
escravidão e da idéia que lá se tinha da sabedoria, não se daria os parabéns pela mudança
sofrida, lamentando ao mesmo tempo a sorte dos que lá ficaram?

GLAUCO - Evidentemente.

SÓCRATES - Se na caverna houvesse elogios, honras e recompensas para quem melhor e
mais prontamente distinguisse a sombra dos objetos, que se recordasse com mais precisão
dos que precediam, seguiam ou marchavam juntos, sendo, por isso mesmo, o mais hábil em
lhes predizer a aparição, cuidas que o homem de que falamos tivesse inveja dos que no
cativeiro eram os mais poderosos e honrados? Não preferiria mil vezes, como o herói de
Homero, levar a vida de um pobre lavrador e sofrer tudo no mundo a voltar às primeiras
ilusões e viver a vida que antes vivia?

GLAUCO - Não há dúvida de que suportaria toda a espécie de sofrimentos de preferência a
viver da maneira antiga.

SÓCRATES - Atenção ainda para este ponto. Supõe que nosso homem volte ainda para a
caverna e vá assentar-se em seu primitivo lugar. Nesta passagem súbita da pura luz à
obscuridade, não lhe ficariam os olhos como submersos em trevas?
GLAUCO - Certamente.

SÓCRATES - Se, enquanto tivesse a vista confusa -- porque bastante tempo se passaria
antes que os olhos se afizessem de novo à obscuridade -- tivesse ele de dar opinião sobre as
sombras e a este respeito entrasse em discussão com os companheiros ainda presos em
cadeias, não é certo que os faria rir? Não lhe diriam que, por ter subido à região superior,
cegara, que não valera a pena o esforço, e que assim, se alguém quisesse fazer com eles o
mesmo e dar-lhes a liberdade, mereceria ser agarrado e morto?

GLAUCO - Por certo que o fariam.

SÓCRATES - Pois agora, meu caro GLAUCO, é só aplicar com toda a exatidão esta
imagem da caverna a tudo o que antes havíamos dito. O antro subterrâneo é o mundo
visível. O fogo que o ilumina é a luz do sol. O cativo que sobe à região superior e a
contempla é a alma que se eleva ao mundo inteligível. Ou, antes, já que
o queres saber, é este, pelo menos, o meu modo de pensar, que só Deus sabe se é
verdadeiro. Quanto à mim, a coisa é como passo a dizer-te. Nos extremos limites do mundo
inteligível está a idéia do bem, a qual só com muito esforço se pode conhecer, mas que,
conhecida, se impõe à razão como causa universal de tudo o que é belo e bom, criadora da
luz e do sol no mundo visível, autora da inteligência e da verdade no mundo invisível, e
sobre a qual, por isso mesmo, cumpre ter os olhos fixos para agir com sabedoria nos
negócios particulares e públicos.


Existem várias discussões sobre este texto (também conhecido como: O mito da caverna). Existem pessoas que preferem a "caverna" como fuga de seus medos, frustrações, escondendo suas "deformações" do sol...como se isso fosse a realidade.

Enquanto que há outras pessoas querem algo além da caverna, descobrem que passaram a vida toda acreditando em "sombras", sendo manipuladas (politica/mídia/religião...), mesmo sendo dolorido descobrem uma realidade muito melhor que a "realidade" da caverna. E sofrerão ao tentar libertar as  mentes que estão na caverna que tudo não passa de ilusão (vide Matrix)...isso acontece diariamente no mundo e já aconteceu muitas vezes no passado!

Quantas pessoas nesse exato momento estão aprisionadas em "cavernas", achando que essa é a realidade? Quantos países estão sendo manipulados por governos autoritários (vide V de Vingança), e quantas pessoas ficam vislumbrando "objetos" (tv) e não as coisas belas da vida?

Como eu disse: há muito o que se discutir sobre esse texto...isso é pouco se comprarando com o "turbilhão" de idéias na minha cabeça...não sei se viajei muito, se faz sentido...mas é o que veio a cabeça!

Até a próxima!

sábado, 25 de dezembro de 2010

NATAL

É Natal!!!
Momento de ficar com a familia, amigos...com pessoas que amamos.
Vamos celebrar essa data tão especial, pois é a celebração do nascimento de Jesus!

Não esqueça de compartilhar esse momento mágico. Abraçe seus amigos, ligue para aquela pessoa que está distante...coma muito perú!

Desejo a todos um feliz natal!!!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Marcelo Adnet ironiza eleitores elitistas no Comédia MTV

Simplesmente genial!!!

A maior descoberta de Henry Stanley

Você conhece a história de Henry Stanley, repórter do jornal "New York Herald"?
A pedido do jornal, ele viajou para a África a fim de localizar o missionário e explorador David Livingstone (1813-1873). Após vários meses de intensa procura e uma jornada de milhares de quilômetros através de um território desconhecido, ele finalmente encontrou Livingstone no lago Tanganica.

O que mais impressionou Stanley foi a paz interior e a força espiritual do missionário. Mais tarde escreveu: "Fui para a África com muitos preconceitos em relação à fé cristã. Mas durante os meses passados com Livingstone, eu o ouvi e fiquei atordoado com aquele ancião que colocou em prática as palavras de Cristo: "Siga-me!" Quando observei a santidade, a bondade e o zelo dele, a justiça e a paz em qualquer situação, meus preconceitos para com o cristianismo gradualmente perderam a força. Eu posso afirmar que foi o exemplo vivo de Livingstone que me conduziu a Cristo."

Portanto, Stanley não apenas encontrou Livingstone, mas encontrou também o próprio Cristo. Mas não é necessário viajar milhares de quilômetros para ter um encontro com o Senhor Jesus. Ele está mais próximo de nós que qualquer outra pessoa.

Confie nELE, ore a ELE, fale com ELE que você obterá respostas. ELE está esperando por você, pois morreu na cruz para nos demonstrar Seu amor e remover todos os obstáculos que nos impediam de chegar a Deus.

Extraído do livro: Boa semente.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Um conto de terror por Cleithyjane Fonseca

Crianças vão para céu, certo?
 "Mamãe me disse que toda criança que morre de modo doloroso e violento vai para o céu.

Ela me disse isso porque eu perguntei para ela quem vivi no céu e como se chega lá. Eu queria saber porque queria levar todos do meu vilarejo para o céu!
 Eu me chamo Anya e tenho 7 aninhos, moro em um vilarejo com poucas pessoas. Todos os meus amiguinhos são crianças boas e felizes. Eu quero que eles vão para o céu quando morrerem... Mas para isso eles teriam que morrer de forma dolorosa e violenta.

 Eu não posso pedir para ninguém fazer isso, pois eles são meus amiguinhos. Eu desejo que eles vão para o céu, mas eles fizeram coisas erradas... Eles mataram um gatinho... Minha mamãe disse que pessoas que matam nem que seja uma única mosca não podem ir pro céu... Então eles não vão para o céu?

Mas... Eu quero que eles vão pro céu... Então eu vou ter que matá-los... E de forma dolorosa e violenta, certo? Ai eu serei uma boa amiguinha, né? Acho que sim. Mas depois eu vou para o céu?
 Eu marquei com eles para nos encontrarmos na floresta. Ainda não chegaram... Eu trouxe comigo o machado do papai, que ele usa para cortar lenha e cordas. Meu amiguinhos chegaram, eu deixei o machado escondido atrás da pedra ao lado da árvore, e também deixei ele camuflado pela neve. Coisas que meu papai havia me ensinado antes ir para a guerra.

 Eu amarrei meus amiguinhos na árvore. Eles acham que é uma brincadeira. Mas eu estou sendo uma boa amiguinha, certo? Estou levando eles para o céu. Eu pego o machado, ele é pesado... Será que vou agüentar usar ele nos meus amiguinhos? São ao todo 3 amiguinhos. Dois meninos e uma menina. Ataco primeiro um dos meninos. Ataquei primeiro na barriga, mas ele ainda não morreu. Ele grita e chora, o sangue dele se esparrama pela neve. Levantando o machado com dificuldade eu o atinjo no pescoço.

Ele foi para o céu. Uma lágrima escorreu pelo meu rosto. Minha amiguinha pergunta o porquê eu estou fazendo isso, eu digo que é para levá-los para o céu, quando digo isso, dou uma machadada em sua cabeça. Ela foi para o céu Outra lágrima escorre. Só restou agora um menino, eu pego o machado e vou em sua direção. Ele me agradece, agradece por eu estar levando ele para o céu.

 Pego novamente o machado com dificuldade e atinjo seu pescoço. Ele vai para o céu. Outra lágrima percorre meu rosto. Eu estou suja de sangue, mamãe vai ficar brava. Novamente pego o machado com certa dificuldade, e começo a andar. Enquanto ando penso em tudo o que eu fiz e sorrio, levei meu amiguinhos para o céu. Eu fui uma boa amiga. Mas os papais e mamães deles vão ficar tristes porque nunca mais vão vê-los, mas eles foram para o céu. Então acho que eles vão ficar felizes.

 Enquanto estava distraída eu me perdi. Por mais que eu andasse não achava o caminho de volta então tropecei. Eu não havia percebido o barranco. O machado fugiu de minhas mãos. O barranco é grande e cheio de pedras, eu estou toda ferida. Dói muito . O machado havia sumido. Meus olhos procuram ele. Eu sinto algo puxar meus cabelos com força. Um homem. Mas ele não é do vilarejo, ele tem cara de quem está com frio e com fome. Deve ter se perdido como eu, agora será que ele vai cuidar de mim? Ele me arrasta um pouco e vai na direção do barranco. Ele volta, e está com o machado. Ele se aproxima de mim, e me ataca cravando o machado no meu peito. Eu vou para o céu... certo??? "


The end

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Recomendo: "Distrito 9"


O filme começa com depoimentos de moradores de Joanesburgo, Africa do Sul, acerca dos problemas causados pelos novos habitantes: Alienígenas.

Após a nave ficar pairando por mais de vinte anos sobre o céu de Joanesburgo, autoridades resolvem invadir a nave e se deparam com alienígenas feridos e subnutridos. Logo são acomodados em uma area chamada "Distrito 9", uma favela alienígena onde eles não podem sair e são apelidados pejurativamente de "prawns"- camarões.

Com a população de alienígenas em crescimento no acampamento, surge transtornos para a cidade pois "os camarões" começam a praticar roubos e vandalismos deixando a população incomodada.
Para resolver de vez esse problema a MMC (uma espécie de ONU) resolve despejar os aliens e leva-los para um campo de concentração isolado da cidade.

Wikus van der Merwe com escolta militar e um auxiliar vai em cada barraco pedindo para os aliens assinarem o despejo...o que não é tão simples, hà resistência.
Ao revistar um barraco, Wikus encontra um artefato alienígena que dispara um liquído preto em seu rosto deixando-o contaminado...agora com a habilidade de manusear armas alienígenas, ele será casado e descobrirá o que significa ser um completo estranho em seu próprio planeta.

Sou um grande fã desse filme, cuja a produção é assinada por Peter Jackson, e seu enredo é uma clara alusão ao distrito 6, uma área residencial na Cidade do Cabo (África do Sul) que ficou conhecida por causa dos 60 mil moradores que foram expulsos de lá na década de 1970, durante o regime do Apartheid, alusão esta que o roteiro escancara logo nos seus primeiros 10 minutos.

O filme tambem trata de outros assuntos como xenofobia, disputas por terra e luta pela democracia, se tornando um dos filmes mais originais e inteligentes dessa década.
É, na minha opinião, o melhor filme de 2009 (ano de seu lançamento) com cinco merecidas indicações ao oscar (incluindo melhor filme), e já é um clássico!

Um filme imperdivel, muito bem feito, seu ponto forte é o fato de não se passar em nenhuma cidade americana...e sim em uma cidade africana. Tambem não há "astros" no elenco, e a equipe de produção é formada por profissionais africanos, aliás...o diretor é africano.
Com efeitos especiais de primeira (o custo do filme é de apenas 30 milhões de doláres...muito pouco para os padrões hollywoodianos), boas cenas de ação, reviravoltas, robôs...enfim...é um grande filme que merece ser assistido!!!

Nota: 10

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Elvis vive em novo show do Cirque du Soleil

Elvis Presley está vivo! E fazendo novos arranjos para suas canções, via Cirque du Soleil. A trupe circense está em cartaz com o espetáculo Viva Elvis, em Las Vegas, e divulgou um vídeo de sua ótima versão de "Burning Love". Confira:



Viva Elvis ainda tem colaboração da cantora mexicana Thalía, fazendo um dueto com o cantor em "Love Me Tender".

(Omelete)

domingo, 19 de dezembro de 2010

"Dezembro é especial"

Texto do pastor Israel Belo de Azevedo, titular da Igreja Batista Itacuruçá na Tijuca.

"Dezembro não é um mês qualquer.
Em dezembro, alguns trabalham mais que nos outros meses, não importa que estejam cansados.
Em dezembro, alguns alternam períodos de atividade e descanso, sobretudo os estudantes.
Em dezembro, alguns se arrastam para o ano seguinte, como se a virada do calendário virasse a vida.
Em dezembro, alguns se agitam, passando seus dias e noites entre compras e agitações.
Em dezembro, alguns ficam alegres, ao ritmo das luzes natalinas nos prédios, enquanto outros perdem qualquer motivo para saírem de casa, tomados por tristeza que não sabem explicar.
Em dezembro, alguns pensam em Jesus, cujo nascimento é anunciado por sinfônicas vozes.
Em dezembro, alguns fazem uma avaliação do ano, pondo na caderneta de crédito/débito o que fizeram e o que não conseguiram realizar.
Então, se for trabalhar mais em dezembro, não faça do seu trabalho um ídolo. Trabalho é o que é: trabalho.
Se for descansar, não se canse.
Se for olhar para o próximo ano, lembre-se que o próximo ano pode chegar e terminar igual ao de agora. As mudanças não são automáticas, mas resultado de desejo, decisão, dedicação, disciplina e dignidade.
Se for se agitar, tenha em mente que a vida não é uma festa constante.
Se for ficar alegre, não procure o prazer que seja fugaz e, se for fugaz, que não deixe consequências das quais venha a se arrepender.
Se for ficar triste, pergunte se há motivo para a tristeza, que, quase sempre, é filha da comparação. Neste caso, não compare suas alegrias com as alegrias dos outros, seus presentes com os presentes dos outros, seus sucessos com os sucessos dos outros, alegrias essas, presentes esses e sucessos esses que você sequer sabe se são reais, embora possam ser.
Se for pensar em Jesus, abra o Novo Testamento e desça ao fundo de suas páginas, para ser renovado com o retrato que sua própria leitura vai revelar.
Se for fazer uma avaliação do ano, não pense no próximo ano, mas nos próximos cinco anos.

ISRAEL BELO DE AZEVEDO

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Tiririca chega com sorte em Brasília

Palhaço chega ao circo

A Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira o projeto de lei que reajusta os salários dos deputados, senadores, ministros, do vice-presidente e presidente da República. Pelo texto aprovado pelos deputados, em votação simbólica, o salário dos parlamentares, do presidente, vice e dos ministros será de R$ 26.723,13 a partir de 1º de fevereiro do ano que vem, quando tomam posse os novos deputados e senadores.

E quem gostou da idéia foi o deputado mais votado Tiririca, que fez uma visita a Câmara dos Deputados!
"Cheguei em um bom dia", referindo-se à votação.
E na minha opinião ele está certo, trouxas são os que votaram nele. Tiririca esta fazendo o papel de deputado: apoiar o aumento do salário dos parlamentares, e o povo que se dane!

E que o brasileiro pode fazer?
 NADA!!!
Qual foi a ultima vez que os brasileiros fizeram uma manifestação contra o aumento abusivo dos salários dos deputados?
 NUMCA!!!
Manifestações a favor da legalização da maconha o povo faz...agora contra esse reajuste salarial...ficamos de braços cruzados.

E o mais interessante é o fato da votação ter ocorrido em poucos minutos, já as votações para um benefício para o povo leva anos para ser votado!!!
E tem mais: pesquisa realizada pelo Sensus para Tribunal Superior Eleitoral sobre as eleições 2010 revela que boa parte dos eleitores brasileiros já não se lembra mais em quem votou no pleito deste ano.

O esquecimento é maior em relação aos cargos de deputado estadual:  23% dos eleitores entrevistados não lembraram o candidato escolhido na hora do voto.
O brasileiro tem direito de reivindicar alguma coisa?
 NÃO!!!

É o Brasil-sil-sil!!!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Desaparecido desde a passagem do furacão Katrina, gato volta a sua família nos EUA

Cinco anos depois de seu desaparecimento, durante a passagem do furação Katrina, um gato voltou aos braços de uma família do Mississippi, nos EUA.

Scrub, um gato cinza e branco que hoje tem sete anos de idade, foi alimentado por alguns meses por uma mulher. No entanto, uma onda de frio na região fez a mulher se preocupar com a saúde do animal e o entregou ao abrigo.

O gato foi identificado pela Sociedade Protetora dos Animais do Sul do Mississipi por causa de um implante de microchip. A entidade, então, entrou em contato com os donos do animal. "Fiquei cética", disse Jennifer Noble, dona do animal.

Ao retornar para a família, Scrub foi logo deitar-se aos pés da cama do filho de Jennifer Noble, segundo o jornal "The Sun Herald". "Scrub está em ótimas condições", disse Noble.
(Uol)



Incrivel!!!
Depois de todo esse tempo eu nem lembraria mais do gato!
Graças a tecnologia o bichano voltou pra casa.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

O mundo mágico da leitura.


Eu fiz uma façanha neste ano: li seis livros!
Muito pouco, é verdade, mas irei adiantar uma das minhas promessas para 2011: quero ler 11 livros!

Um dos livros que eu li neste ano  foi "As crônicas de Nárnia - Volume único" (´li os quatro primeiros, ainda estou lendo os restantes) e esse me envolveu de tal maneira que pensei com meus botões: "Uma boa leitura pode nos proporcionar momentos mágicos!"

É incrivel como o livro nos enriquece culturalmente, abre nossas mentes, nos torna pessoas com senso critíco e  nos diverte.
Por isso a importância do incentivo à leitura para as crianças, através dos livros elas podem conhecer novas emoções como medo, alegria, mistério,  desenvolve seu sentido crítico e sem duvidas serão pessoas de boa índole. Isso se aplica aos adultos também.

Infelizmente o Brasil não é um país de leitores. A estimativa é de apenas 1 livro por ano .
Muitos são os problemas que contribuem para essa triste realidade:  livros e revistas são caros; bibliotecas sem estruturas (tem pessoas que nunca foram a uma biblioteca); falta de incentivo familiar; taxa de analfabetismo é muito alta; entre outros...

Eu acretido que o Brasil seria um país muito diferente se a leitura fosse algo da nossa cultura. Infelizmente não é. Aqui se dá mais valor ao funk do que os livros...infelizmente!!!

Espero poder compartilhar desse hábito saudável com meus filhos. E sempre embarcarei nas aventuras e magia que um bom livro sabe proporcionar.

Ler é o unico vício que uma pessoa deve ter.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010